Archive for the ‘Legislativas’ Category

Urnas rafeiras

27 de Setembro de 2009

“Ainda bem que não juntaram as eleições, da última vez que votei deram-me três papeis.”

Anúncios

Aquecimento

26 de Setembro de 2009

“Queremos jogar um jogo”. A cassete repete-se durante semanas. “Estamos asfixiados!” E eles jogam, mas sem bola. O esférico é o único apetrecho que separa a política da liga domingueira patrocinada pela mine.Nas duas modalidades, os protagonistas defendem a saúde mental  através da projecção.

O jogador de futebol não tem grande orgulho em perseguir uma bola  e, nas conferência de imprensa, trata o tolinho que passa 90 minutos  a correr sobre uma passadeira vede, como um cão atrás do osso, na terceira pessoa. É apenas um desconhecido com algumas semelhanças físicas. O mesmo acontece na política. Quando  o orçamento é escasso para beber um whisky com os amigos, o comum mortal justifica a grave falta com uma fase introspectiva que nos obriga a ficar em casa a ver o Marco Horácio a gritar “Soltem a Parede!”.  Na classe dirigente acontece algo semelhante. Uns têm crises de asma, outros falam em forças ocultas. Os populares assumem os sintomas. Os grandes vencedores, até ao momento, são a indústria farmacêutica e os prestigiados armazéns chineses: as patas de coelho estão esgotadas há três semanas. Os rafeirus querem estar em forma, no momento de depositar a escolha na urna.

Contudo, o pânico não inquieta Belém. O anfitrião está rijo. Não há maleita nem superstição que afecte o Chefe de Estado. Fontes próximas da presidência da república afiançam que ”  as soirés  têm sido animadas pelo tabuleiro de Cluedo”  bem… não disseram. Li isso num email.

Saldos

14 de Setembro de 2009

Quem diria que Manuela Ferreira Leite não tem muito jeito para a jornada preferida do mulherio

A Maiêutica de Sócrates

12 de Setembro de 2009

Após o parto intelectual –  o que para a rafeirada é um processo muito pouco simplex -, sinto sérias dificuldades em votar num primeiro-ministro que confunde Interesse Geral com Interesse de Todos(1); que atira para o mesmo saco Recessão e Endividamento e confunde Gestão Privada com Privatização

1 – “A contingência de uma dissensão entre a vontade de todos (ou da maioria) e a vontade geral não é mais do que a contingência de tudo aquilo que, pese embora a adesão maciça que possa obter no circunstancialismo da ocasião, ponha em causa o interesse comum e o próprio fundamento do contrato social. Neste sentido, a vontade de todos, quando desavinda da Vontade geral, pode ser entendida como o nome rousseauniano para fenómenos como o populismo e a demagogia, exemplificáveis nas democracias totalitárias, com o seu particular volutear revolucionário, mas também, a seu modo é certo, nas nossas hodiernas democracias ocidentais cada vez mais massificadas e “mediacratizadas”. Se a tirania das maiorias pôde conduzir aos totalitarismos de feição aparentemente democrática, hoje já extintos, não será por isso que deixam de constituir uma ameaça, aliás crescente, às democracias que integramos.”